Read the Beforeitsnews.com story here. Advertise at Before It's News here.
Profile image
By Center for a Stateless Society
Contributor profile | More stories
Story Views
Now:
Last hour:
Last 24 hours:
Total:

Contra o Sistema Penal, Parte II: O Direito Criminal É Um Crime

% of readers think this story is Fact. Add your two cents.


Jason Lee Byas. Título original: Against the Criminal Justice System, Pt. II: The Criminality of Criminal Law. Traduzido para o português por Gabriel Serpa.

Na primeira parte desta série, apresentei razões para os libertários rejeitarem as práticas punitivistas. Como alternativa, sugeri que o papel adequado do Direito é a busca pela resolução de conflitos, e que a violência advinda dele só pode ser direcionada à defesa do ofendido ou para restitui-lo. Com efeito, elimina-se assim o direito penal, deixando em seu lugar o direito civil.

Na sequência, tentarei dar mais estofo a essa conclusão, demonstrando brevemente por quais motivos os libertários devem se opor à lei penal, para além da ilegitimidade das punições.

Visões Jurídicas: Centradas Na Vítima x Centradas Na Soberania

​​Os libertários gastam muito tempo (acertadamente) discutindo a injustiça em torno de crimes sem vítimas. Mesmo assim, se aceitarmos a ideia da lei penal, não fica claro por quê — já que pelo seu enquadramento, crimes não diriam respeito às verdadeiras vítimas para começo de conversa.

Em vez disso, quando uma pessoa comete um homicídio, a lei penal nos diz que o verdadeiro crime foi cometido contra a sociedade. É por isso que existem promotores de justiça, os quais podem levar adiante denúncias — mesmo que contra a vontade da vítima em questão—, e a essas denúncias dá-se nomes como “O Povo do Estado da Califórnia em face de José das Couves”, e não simplesmente “José das Couves em face de João Ninguém”.

Historicamente, essa ideia advém dos tempos em que todos os crimes eram interpretados como ataques diretos ao rei, e as punições eram penas imputadas a criminosos por desafiarem a autoridade do monarca. Como nos explica o filósofo Gary Chartier:

A categoria legal dos crimes contemporâneos se encontra no âmbito daquilo que comumente é enquadrado como ataque ao “público” … ou ao “estado”. Em um sistema supostamente democrático, o estado será identificado — retórica e erroneamente — como o todo da população. Mas é claro que categorizar o estado como a vítima de crimes se popularizou nos tempos da monarquia — com a identificação do estado como soberania popular.

O crime era compreendido como um ato que atentava contra o rei por inúmeros motivos: por violar a legislação real e contestar sua autoridade; pelo medo que o monarca tinha dos efeitos colaterais advindos de violações legais; pelos crimes demandarem o uso das cortes judiciais do rei; e pelo fato dos atos criminosos potencialmente diminuírem a arrecadação de tributos. Além disso, algumas transgressões só existiam dada a existência do próprio monarca: insultos ao rei, ataques à igreja do reino, certamente as tentativas de deposição — [a criação de] uma categoria à parte foi necessária para estas, em parte por serem inconcebíveis sem a presença de um rei (e não estariam presentes em um sistema voltado para a resolução de conflitos entre partes juridicamente iguais), e em parte porque havia todos os incentivos para que o monarca ratificasse a sua importância.

Em outras palavras, desde seu início, a lei penal esteve atrelada a uma noção abertamente autoritária de soberania. Para os libertários, que entendem que a soberania não subjaz a um monarca ou a um povo, mas ao indivíduo de carne e osso, isto faz do direito penal algo inadmissível.

Mens Rea É Crime De Pensamento

Uma das consequências deste formato do direito penal centrado em soberania é que ele se preocupa não apenas com o actus reus (o ato culposo), mas também com a mens rea (a mente [ou intenção] culposa). O criminoso deve ser responsabilizado e moralmente culpado. Assim, as punições também variam de acordo com o quão moralmente culpados eles são — pune-se mais o assassino que planejou meticulosamente seus atos do que aquele que o faz em um rompante de ira.

Isso pode parecer inquestionável até que percebamos o que realmente significa: sob o direito penal, todo crime envolve o crime de pensamento.

Para que uma conduta passe de mera contravenção a um crime — e para que a resposta a ela passe da restituição à punição — é preciso que haja o instituto de mens rea. E para justificar um maior uso de violência [na punição], os defensores do direito penal precisam sustentar que ideias transgressoras são, por si só, uma justificativa à parte para se valerem desta mesma violência. Do contrário, ir da restituição para a punição não está dentro do princípio da proporcionalidade.

É difícil imaginar um conceito mais repugnante para libertários do que crime de pensamento, o que nos dá razões suficientes para que deixemos de lado qualquer apego que tenhamos e dispensemos o direito penal.

O Direito Penal É Dado A Violações De Direitos

Para além destas duas características inerentemente iliberais — o foco (equivocado) em soberania e a mens rea —, há mais um motivo para que libertários tenham um pé atrás com o direito penal. Notadamente, ele abre mais espaço para o autoritarismo no campo do Direito.

Como mencionado antes, a lei penal, em sua essência, não está preocupada com a vítima, mas com danos abstratos causados, de forma muito genérica, à sociedade. Torna-se muito fácil advogar pela penalização de erros morais, pela prevenção paternalista de doenças sociais, ou o que quer possa ser visto e atacado como um perigo iminente para a sociedade como um todo.

Historicamente, isso se demonstra com o direito penal sendo imposto pelos estados às sociedades, em vez de se desenvolver espontaneamente de instituições livres e voluntariamente constituídas. Já aqueles sistemas legais que foram mais libertários em seus formatos — menos voltados ao estado e mais descentralizados — sempre tenderam mais ao direito civil e ao sistema de restituição do que ao direito penal e ao punitivismo. É o caso da Islândia medieval, da Irlanda e Inglaterra pré-conquistas e do sistema jurídico policêntrico da Somália (chamado Xeer).

Sob tais sistemas, o Direito não é imposto por meio de legislação, mas emerge naturalmente de decisões reais, envolvendo pessoas e conflitos de verdade. Por isso, prescindem de um código penal à parte, concentrando-se em indenizar o que pode ser indenizado às vítimas, e não em agredir o agressor.

Conferindo Uma Função Específica Ao Direito

Uma grande vantagem de mudar para um sistema baseado na restituição e no direito civil é que ele edifica uma função bem determinada para o Direito. Sob estes moldes, ele não se dedica a solucionar problemas sociais (nem mesmo o crime!), tampouco faz prescrições morais em nome de uma coletividade. Ele, especificamente, apazigua disputas entre particulares e indeniza vítimas em conflitos.

Em parte, isso resulta em implicações libertárias mais profundas e abrangentes do que a princípio pode parecer, politicamente falando. Um texto futuro desta série dedicar-se-á à exposição de tais implicações. Entretanto, no próximo, responderemos a algumas críticas que frequentemente são feitas às teorias jurídicas puramente voltadas à restituição.

The Center for a Stateless Society (www.c4ss.org) is a media center working to build awareness of the market anarchist alternative



Source: https://c4ss.org/content/54144


Before It’s News® is a community of individuals who report on what’s going on around them, from all around the world.

Anyone can join.
Anyone can contribute.
Anyone can become informed about their world.

"United We Stand" Click Here To Create Your Personal Citizen Journalist Account Today, Be Sure To Invite Your Friends.

Please Help Support BeforeitsNews by trying our Natural Health Products below!


Order by Phone at 888-809-8385 or online at https://mitocopper.com M - F 9am to 5pm EST

Order by Phone at 888-388-7003 or online at https://www.herbanomic.com M - F 9am to 5pm EST

Order by Phone at 888-388-7003 or online at https://www.herbanomics.com M - F 9am to 5pm EST


Humic & Fulvic Trace Minerals Complex - Nature's most important supplement! Vivid Dreams again!

HNEX HydroNano EXtracellular Water - Improve immune system health and reduce inflammation

Ultimate Clinical Potency Curcumin - Natural pain relief, reduce inflammation and so much more.

MitoCopper - Bioavailable Copper destroys pathogens and gives you more energy. (See Blood Video)
Oxy Powder - Natural Colon Cleanser!  Cleans out toxic buildup with oxygen! 
Nascent Iodine - Promotes detoxification, mental focus and thyroid health.
Smart Meter Cover -  Reduces Smart Meter radiation by 96%!  (See Video)

Immusist Beverage Concentrate - Proprietary blend, formulated to reduce inflammation while hydrating and oxygenating the cells.

Report abuse
Loading...

    Comments

    Your Comments
    Question   Razz  Sad   Evil  Exclaim  Smile  Redface  Biggrin  Surprised  Eek   Confused   Cool  LOL   Mad   Twisted  Rolleyes   Wink  Idea  Arrow  Neutral  Cry   Mr. Green

    MOST RECENT
    Load more ...

    SignUp

    Login

    Newsletter

    Email this story
    Email this story

    If you really want to ban this commenter, please write down the reason:

    If you really want to disable all recommended stories, click on OK button. After that, you will be redirect to your options page.